Poema | Enfim, Luz

Enfim, Luz Então, este é o desenho, A faceta, o retrato vívido, Do verdadeiro rosto que me cabe, Daquilo que jamais negará me mover. Trancafiado no escuro, no vácuo, Enforcado com o niilismo que maltrata, A agonia que me faz debater-me no chão Desvanesce e me aquieta ante epifania. Do solo condenado ao céu mentiroso, […]

Leia Mais "Poema | Enfim, Luz"

Poema | O Algoz Ordinário

O Algoz Ordinário Sombras que me suprimem o tino Se fazem claras para mim à noite, Pois por horas a fio me enlouquecem, Mas ao pôr do sol, cessam o açoite. Rugas de infortúnios diários, Tais quais a rotina por si só, Maltratam de maneira ímpar A conturbada casa de minhas ideias. O que me […]

Leia Mais "Poema | O Algoz Ordinário"

Quem é L. E. Farias como ator

Meu prezado e caro leitor, decerto que apresentar-me a ti como ator me alegra fortemente, pois sei que posso atiçar tua curiosidade para o mundo da interpretação! Ok, agora sem falar como um personagem caricato, eu gostaria de te contar quais as minhas principais experiências como ator até então. Além de querer nos aproximar como […]

Leia Mais "Quem é L. E. Farias como ator"

Trança Meus Cabelos

Trança meus cabelos Preciso dormir, mas são seis horas e vinte e sete minutos da manhã e escrevo poesia. Esta noite, deitei-me e esparramei minhas madeixas em meu travesseiro, de modo que ficassem aparentemente tão agitadas quanto minhas emoções por você. Esta noite, senti tanta vontade sua que teu cheiro me tomou os sentidos assim […]

Leia Mais "Trança Meus Cabelos"

Diabo e Demônio: Reflexão de bar

Estavam ambos sentados à mesa no Chinfrins do Mal sem Fim (um dos restaurantes medíocres do Inferno) terminando sua refeição enquanto conversavam sobre sua rotina de trabalho. – Diabo, tu como agem aquele povinho? – Disse Demônio, quebrando a monotonia do assunto. – Estás falando de quem, Demônio? – Dos humanos, ora. Aquele povinho alheio […]

Leia Mais "Diabo e Demônio: Reflexão de bar"