Jazzístico Eu

Jazzístico Eu Ah, nada como uma noite perfeitamente aconchegante após um último dia de angústias! Esses clássicos de jazz tocando na vitrola, esse sofá que me abraça e me acalenta, a lareira que esquenta, o Calamares meio seco que me banha o palato, meu livro de contos favorito… ora, certamente que não há nada mais […]

Leia Mais "Jazzístico Eu"

Paridores De Mundos

Possivelmente por um espectro da partição mór que em mim reside, chego a tossir, quando estou sozinho encarando o teto sobre meu travesseiro, os dizeres que aqui serão escritos, tamanha a vontade que sinto de compartilhá-los com outros pensantes, curiosos e aspirantes a investigadores das entrelinhas da imaginação. Ultimamente, demasiada tem sido a frequência com […]

Leia Mais "Paridores De Mundos"

Poema | Confissão De Um Antigo

Veja bem, rapaz, eu que não me permiti. Adentro de minha derme calejada por vozes, Sou caos, pedra fria que descansa sobre cacos, Sou o calor de outrem e o amargo frio de si. A superestimada vida envelheceu-me a nervura Que outrora sustentara as explosões de meu coração. Pus-me a ponderar sobre convites sedutores do […]

Leia Mais "Poema | Confissão De Um Antigo"

Poema | Enfim, Luz

Enfim, Luz Então, este é o desenho, A faceta, o retrato vívido, Do verdadeiro rosto que me cabe, Daquilo que jamais negará me mover. Trancafiado no escuro, no vácuo, Enforcado com o niilismo que maltrata, A agonia que me faz debater-me no chão Desvanesce e me aquieta ante epifania. Do solo condenado ao céu mentiroso, […]

Leia Mais "Poema | Enfim, Luz"

Poema | O Algoz Ordinário

O Algoz Ordinário Sombras que me suprimem o tino Se fazem claras para mim à noite, Pois por horas a fio me enlouquecem, Mas ao pôr do sol, cessam o açoite. Rugas de infortúnios diários, Tais quais a rotina por si só, Maltratam de maneira ímpar A conturbada casa de minhas ideias. O que me […]

Leia Mais "Poema | O Algoz Ordinário"